respublica

segunda-feira, novembro 20, 2006

McCAIN (II) Aliás, a vasta constelação de grupos anti-bush, anti-américa, anti-ocidente, anti-globalização e anti-capitalismo começa a ficar "desactualizada". O 'império' maldito parece recuar em todas as frentes: na Ásia e na África, a influência chinesa cresce a olhos vistos; no Médio Oriente, além do pântano iraquiano, o Irão assume-se cada vez mais como uma potência regional; e na América Latina, o populismo regressa em força, com o patético Chavez cada vez menos sozinho. Se esta tendência se mantiver, não tarda todos esses grupos 'anti alguma coisa' serão forçados a dirigir os seus esforços no sentido inverso. Ou seja, a exigir do Ocidente que faça alguma coisa para impedir o retrocesso da democracia, as violações dos direitos humanos e as guerras regionais. Uma coisa parecida aconteceu durante a crise que se seguiu ao referendo em Timor Leste: os mesmos que tanto criticaram a Guerra do Kosovo foram os mesmos que exigiram a intervenção dos EUA para impedir o massacre de timorenses.

Quanto ao senador John McCain, compreendeu perfeitamente que a solução para o Iraque passa por reforçar a presença ocidental, sem a qual não será possível desarmar as milícias e esmagar os terroristas. A alternativa será deixar que a aventura iraquiana se transforme em algo semelhante à crise do Suez. E isso não seria bom para ninguém.

4 Comments:

  • As únicas milicias terroristas que lá andam são as gringo-sionostas, alimentadas pela ignorância de pessoas como tu!!!

    By Anonymous excomungado, at segunda-feira, novembro 20, 2006 1:52:00 da tarde  

  • nós,
    os anti-revogação-do-habeas-corpus e anti-desrepeito-da-convenção-de-Genebra,
    os anti-pena-de-morte e os anti-permissividade-perante-a-pederastia,
    os anti-veto-da-stem-cell-research e os anti-"é-inceitável-que-se-pense-que-...",
    cá nos vamos actualizando.

    By Blogger MiM, at segunda-feira, novembro 20, 2006 4:59:00 da tarde  

  • O que me parece é que, olhando para as últimas décadas, raras foram as vezes em que os anti-americanos tiveram razão. A título de exemplo, se os que nos anos 80 gritavam "antes vermelhos que mortos" (e defendiam o desarmamento unilateral face à URSS), tivessem vergado Tatcher, Reagan ou Khol, o mundo seria hoje muitíssimo pior. A política internacional é algo demasiado sério para ser condicionada por sentimentalismos ou correntes políticamente correctas.

    By Blogger Filipe Alves, at segunda-feira, novembro 20, 2006 9:34:00 da tarde  

  • Ai, que vida a nossa!
    Ainda hoje na paragem do autocarro me questionava sobre para quando o acabar de todas estas confusões, estas politiquices que não levam ninguém a lado nenhum, que só dão cabo dos povos e das nações para gáudio de meia dúzia de senhores.

    Não gosto de Americanos. Não gosto do governo norte americano.
    Irrita-me que a "Santa" europa passa a vida de braço dado com eles.
    Irrita-me que ninguém os ponha no lugar deles.
    Também me irrita o estado deste país. Aqui é que deviam existir umas frentes armadas ou umas gurrilhas para ver se poêm cobro a isto. Sei que o que digo é disparatado e exagerado mas, pergunto-me, com isto tudo, com o mundo como ele está, com o país neste estado onde vamos parar?
    Para quando o fim?

    By Blogger clotilde, at quinta-feira, novembro 23, 2006 6:02:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home